Expressão em cores

Um corpo, suas marcas,
Cortes que aliviam a dor da alma,
Dor que, inúmeras vezes, não tem palavras,
Dor vivida,
que no símbolo das marcas do corpo
encontra expressão.

Faltam palavras,
sobram lágrimas, aflição,
solidão.
Solidão que assusta e faz doer,
Paralisa…
Escorre pela fonte dos olhos que parece nunca secar.

Lágrimas,
Que na presença de outrem,
resistem a seguir o seu fluxo.
Ali, não chora.
Suspira, prende, guarda.

No encontro, revela-se, pouco a pouco,
com uma esperança melancólica,
de que a experiência se modifique.

Confiança…

Palavra que emerge,
autoconfiança,
possibilidades…
Potência…

Nas cores quentes e escuras que enchem o branco,
Nova expressão do mesmo.
Ideais e realidade,
sobrepostos, não em sobretom.

Há um tímido azul que paira na imensidão,
por vezes cai, despedaçado.
Há o vermelho-sangue,
da pele que outrora se abriu.
Abriu para carregar o pássaro preso,
Que sentindo-se sem asas,
Revela querer voar,
Viver.

E nas cores
que subjazem o fundo branco
A dor se fez expressão
e abriu as grades que trancavam a sofreguidão.

E o pássaro…

Da portinhola mira a imensidão,
Enxerga possibilidades,
Deixa brotar as asas…
Ensaia vôos…
Vislumbra bandos com os quais quer voar.

E as cores…

Carregam as palavras que ainda não disse,
Expressão.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s